O Sindicato Nacional dos Aeronautas finalizou nesta segunda-feira (6) um ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) para os instrutores de voo da Aerocon Escola de Aviação, de Curitiba, após aprovação dos termos pelos trabalhadores em assembleia.

Esse é o 15º acordo finalizado pelo SNA com escolas e aeroclubes para a regularização das relações de trabalho dos instrutores de voo e a primeira escola no estado do Paraná, reafirmando a condição desses profissionais de aviação na categoria de aeronautas.

O acordo com a Aerocon, entre outras coisas:

- Remuneração mínima fixa e adicional por hora;
- Adicional noturno e de periculosidade;
- Vale alimentação;
- Seguro de vida;
- Limites de jornada de trabalho e de horas de voo;
- Repouso mínimo e garantia mínima de oito folgas mensais;
- Garantia de emprego aos acidentados;
- Custeio de revalidações de CMA e CHT.

O SNA ressalta que continuará trabalhando para a regularização de todos os aeroclubes e escolas de aviação do Brasil.

Lembramos por fim que os aeronautas podem e devem denunciar quaisquer irregularidades por meio do e-mail do Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Contamos com a participação de todos.

Em assembleia realizada na última sexta-feira (3), os associados do SNA aprovaram apoio aos pilotos colombianos, que reivindicam medidas para garantir maior segurança de voo e equiparação das condições de trabalho no país ao que é praticado internacionalmente pela própria Avianca. Os colegas colombianos estão em greve há mais de 45 dias.

A situação na Colômbia é extremamente grave devido à total intransigência patronal, que se nega a sentar à mesa de negociações, e à falta de sensibilidade tanto do governo quanto do judiciário local – a greve foi declarada ilegal, o que fere o direito constitucional de greve do país. Os mais de 500 pilotos em greve estão sem salários. 

Seguindo o que foi decidido na assembleia, o SNA criou uma conta-corrente para arrecadação de fundos entre os aeronautas brasileiros para ajudar os colegas colombianos.

BANCO SAFRA
BANCO 422
AG 2200
C/C 014494-0
CNPJ 33.452.400/0002-78

Esta é uma situação que pode no futuro ameaçar também os aeronautas brasileiros. Temos cada vez mais grandes grupos comandando a aviação na América do Sul. No intuito de maximizar os resultados, cada vez mais não levam em conta a questão humana e as condições de trabalho de seus empregados. Por isso, existe a necessidade de apoio irrestrito aos nossos colegas colombianos. 

Contribua, nem que seja com uma simples diária de alimentação. Vamos nos juntar aos outros sindicatos latinos que já estão enviando contribuições.

Participe. Faça a diferença!

Em assembleia realizada nesta sexta-feira (3), os associados do SNA aprovaram apoio aos pilotos colombianos, que reivindicam medidas para garantir maior segurança de voo e equiparação das condições de trabalho no país ao que é praticado internacionalmente pela própria Avianca. Os colegas colombianos estão em greve há mais de 45 dias.

O encaminhamento foi pelo envio de dois diretores para acompanhar diretamente a greve e por organizar uma conta corrente específica do SNA para arrecadação de fundos entre os aeronautas do país. Esta conta estará disponível na segunda-feira e será divulgada em todos os meios de comunicação do SNA.

A situação na Colômbia é extremamente grave, devido à total intransigência patronal, que se nega a sentar à mesa de negociações, e à falta de sensibilidade tanto do governo quanto do judiciário local – a greve foi declarada ilegal, o que fere o direito constitucional de greve do país. Os pilotos em greve, mais de 500, estão sem salários. 

Desta forma, é obrigação dos tripulantes brasileiros o apoio aos colegas colombianos. Esta é uma situação que pode, de uma maneira ou outra, chegar ao nosso país e ameaçar a nossa profissão. Temos cada vez mais grandes grupos econômicos comandando a aviação na América do Sul, que, no intuito de maximizar os resultados, não levam em conta a questão humana e as condições de trabalho de seus empregados. Por isso, existe a necessidade de apoio irrestrito aos nossos colegas colombianos.

Hoje são eles. Amanhã podemos ser nós.

Contribua, nem que seja com uma simples diária de alimentação. Se todos contribuírem, podemos arrecadar uma grande soma e fazer a diferença neste movimento histórico na Colômbia. Vamos nos juntar aos outros sindicatos latinos que já estão enviando contribuições.

Participe. Faça a diferença!

Após a negativa da categoria, em assembleia, à proposta das empresas para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da aviação regular, o Sindicato Nacional dos Aeronautas levou nesta quarta-feira (1) a contraproposta formulada pelos trabalhadores para conhecimento das empresas, na quinta reunião entre as partes.

Segundo o Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias), a contraproposta apresentada será analisada e uma resposta será dada em breve.

A proposta das empresas que foi negada recusava diversas das reivindicações da pauta original dos aeronautas e oferecia, basicamente: INPC para cláusulas econômicas; 5% no piso das diárias internacionais; período oposto de seis dias com fim das restrições das monofolgas; franquia de bagagens, publicação das escalas com 5 dias de antecedência em todos os meses, passe livre com 7 assentos, e a manutenção das demais cláusulas.

Além disso, as empresas pediam a postergação da entrada em vigor de alguns itens da Nova Lei do Aeronauta, passando de 27 de novembro de 2017 para 1º de março de 2018 (folga, monofolga, base contratual, publicação de escala e mudança de pagamento de km para hora) e também a inclusão de cláusulas que versam sobre a concessão de passagens, menor aprendiz e pessoas com deficiência.

Alguns pontos passariam, devido à complexidade e às diferenças entre as empresas, para negociação por companhia:

- Pagamento do período de tempo de solo entre etapas;
- Pagamento de treinamento em simulador;
- Discussão das folgas para tripulantes de ATR.

A contraproposta formulada e aprovada pelos aeronautas, apresentada nesta quarta às empresas, adapta as reivindicações e determina uma base mínima aceitável pela categoria para atender ao que pedem as empresas. 

Nas cláusulas econômicas, o pleito continua a ser de 5% de aumento em salários, pisos, diárias de alimentação nacionais, vale alimentação e seguro de vida. Para as diárias internacionais, a solicitação é de um valor fixo de 25,00 (seja dólar, euro ou libras).

Entre as cláusulas sociais, as principais reivindicações são, dentre outras:

- Fim do limite de assentos para o Passe Livre;
- Passe Livre nos ônibus das empresas para deslocamento entre aeroportos;
- Período oposto de 8 dias;
- Homologação de termo de rescisão nas representações do SNA;
- 11 folgas mensais para tripulantes que voam widebody;
- Descanso dos comissários na classe executiva;
- Validação, por meio de ACT, das jornadas autorizadas pelo SGRF (Sistema de Gerenciamento do Risco da Fadiga);
- Limite de jornada em voos de tripulação composta.

Cabe lembrar que toda decisão é sempre tomada pelos tripulantes, em assembleia, e que a participação de todos é de extrema importância para o sucesso nas negociações.

Desta forma, o SNA convoca a categoria acompanhar e participar de todo o processo.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação e participem das deliberações.

O SNA esteve reunido nesta terça-feira (31) com a Secretaria da Previdência e o INSS, em Brasília, para discutir o impasse que foi criado quando o INSS parou de pagar o benefício do auxílio-doença para as aeronautas gestantes.

Atualmente, o SNA tem uma liminar concedida pela 22ª Vara Federal de Brasília que obriga a autarquia a conceder o auxílio para todas as aeronautas gestantes. Porém foi estipulado prazo de 30 dias para que o INSS fizesse as adaptações que julgasse necessárias para cumprir de fato a liminar.

A ação movida pelo sindicato que irá julgar o caso definitivamente ainda está correndo. No entanto, o INSS já apresentou um recurso, ainda não julgado, para tentar derrubar a liminar que está em vigor. 

Na reunião realizada na terça, o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, e o INSS mantiveram o posicionamento de esperar uma decisão judicial.

Porém o SNA apresentou às autoridades alternativas de solução por via negocial, de forma a atender às necessidades de todos.

O INSS e a Previdência se prontificaram a analisar as propostas apresentadas. Desta forma, o SNA espera para breve uma nova reunião para tentar resolver o assunto. 

Por fim, o SNA continua orientando as tripulantes grávidas para que informem sobre deferimento ou indeferimento do benefício.

Em caso de dúvida, as aeronautas podem procurar o departamento jurídico do SNA por meio do e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone 11 5531-0318 ramal 101.

O Sindicato Nacional dos Aeronautas informa aos tripulantes da Latam que vem fazendo reuniões com a direção da companhia para discutir a transição do modelo de remuneração de km voado para hora de voo, em linha com o que está previsto na Nova Lei do Aeronauta, que entra em vigor no dia 27 de novembro.

O SNA ressalta que está acompanhando toda a transição, de forma a garantir que não ocorra nenhum tipo de perda salarial para os trabalhadores.

No momento oportuno, o SNA, em conjunto com a empresa, irá convocar os tripulantes para conhecer e discutir o novo modelo de remuneração. Por ora, os estudos ainda não estão finalizados. Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação.

Em assembleia realizada na segunda-feira (30), ex-tripulantes da Rio Linhas Aéreas deliberaram por aceitar a proposta de acordo oferecida pela empresa na ação contra a redução de força de trabalho iniciada em 2015. Os acordos, conforme o aprovado pelos aeronautas, seriam individuais. O resultado da assembleia será levado ao juízo para confirmação.

A assembleia serviu para esclarecer dúvidas e prestar informações quanto aos cálculos de média salarial. Diante destas informações, os presentes decidiram aceitar a proposta.

Ficou definido também que o montante devido a cada aeronauta poderá ser pago em até três vezes.

O SNA esclarece, por fim, que os acordos individuais valerão somente para aqueles que aceitaram a proposta. A ação coletiva prossegue para aqueles que não possuem interesse no acordo oferecido.

Em caso de dúvidas, o departamento jurídico do SNA fica à disposição pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
" target="_blank">juridico@aeronautas.org.br ou pelo telefone 11 5531-0318 ramal 101.

O Sindicato Nacional dos Aeronautas convoca todos os tripulantes para assembleia que será realizada na sexta-feira, dia 3 de novembro, que irá deliberar sobre o apoio aos colegas da Avianca Colômbia que estão em greve há cerca de um mês e meio.

A assembleia será às 13h, no hotel Íbis Congonhas, localizado na Rua Baronesa de Bela Vista, nº 801. O edital será publicado nesta quarta-feira (1).

Os pilotos colombianos, apoiados pela ACDAC (Asociación Colombiana de Aviadores Civiles), pedem medidas para garantir maior segurança de voo e equiparação das condições de trabalho no país ao que é praticado internacionalmente pela própria Avianca.

É dever dos pilotos brasileiros apoiar os colegas colombianos, que declararam greve em busca de melhores condições de trabalho.

Contamos com a participação de todos.

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

O Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS AERONAUTAS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo disposto no art. 22, “a” do estatuto da entidade sindical e observados os demais requisitos estatutários e legais, em especial o previsto no art. 20, “b”, do estatuto sindical supracitado, convoca todos os instrutores de voo da AEROCON Escola de Aviação Civil, para Assembleia Geral Extraordinária que será realizada no dia 06 de novembro de 2017, às 14:00 horas em primeira convocação, e às 14:30 horas em segunda e última convocação, no seguinte local: Aeroporto do Bacacheri, localizado na Rua Cicero Jaime Bley, s/n - Hangar 37, bairro Bacacheri, Curitiba – PR, CEP 82515-180, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: proposta de Acordo Coletivo de Trabalho dos instrutores de voo.

Rio de Janeiro, 01 de novembro de 2017.

Rodrigo Spader
Presidente

O evento “Aviadoras, o Reencontro”, realizado no último sábado (28), no auditório da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, com patrocínio do SNA, reuniu mulheres piloto de todo o país e foi um grande sucesso, com 210 participantes.

O ciclo de palestras teve intensa troca de experiências e durou o dia todo, das 8h às 19h.

O SNA agradece a todas que estiveram presentes e espera que eventos como este possam ser cada vez mais constantes no país.

Em assembleia realizada nesta segunda-feira (30), a categoria dos aeronautas negou a contraproposta apresentada pelas empresas para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da Aviação Regular e elaborou uma nova proposta, que será levada à mesa de negociação pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas na próxima quarta (1).

Na assembleia, também foi aprovado o termo acertado pelo SNA com as empresas que garante a manutenção das cláusulas da atual CCT por 90 dias após a data-base, 1º de dezembro, assim como a manutenção das condições atuais para o pagamento do DSR também durante estes 90 dias, no caso de as negociações se estenderem para depois de 1º de dezembro.

A assinatura deste termo é de suma importância para a negociação.

A contraproposta das empresas que foi negada nesta segunda-feira recusava diversas das reivindicações da pauta original dos aeronautas e oferecia, basicamente: INPC para cláusulas econômicas; 5% no piso das diárias internacionais; período oposto de seis dias com fim das restrições das monofolgas; franquia de bagagens, publicação das escalas com 5 dias de antecedência em todos os meses, passe livre com 7 assentos, e a manutenção das demais cláusulas.

Além disso, as empresas pediam a postergação da entrada em vigor de alguns itens da Nova Lei do Aeronauta, passando de 27 de novembro de 2017 para 1º de março de 2018 (folga, monofolga, base contratual, publicação de escala e mudança de pagamento de km para hora) e também a inclusão de cláusulas que versam sobre a concessão de passagens, menor aprendiz e pessoas com deficiência.

Alguns pontos passariam, devido à complexidade e às diferenças entre as empresas, para negociação por companhia:

- Pagamento do período de tempo de solo entre etapas;
- Pagamento de treinamento em simulador;
- Discussão das folgas para tripulantes de ATR.

A contraproposta formulada e aprovada pelos aeronautas nesta segunda-feira adapta as reivindicações e determina uma base mínima aceitável pela categoria para atender ao que pedem as empresas.

Nas cláusulas econômicas, o pleito continua a ser de 5% de aumento em salários, pisos, diárias de alimentação nacionais, vale alimentação e seguro de vida. Para as diárias internacionais, a solicitação é de um valor fixo de 25,00 (seja dólar, euro ou libras).

Entre as cláusulas sociais, as principais reivindicações são, dentre outras:

- Fim do limite de assentos para o Passe Livre;
- Passe Livre nos ônibus das empresas para deslocamento entre aeroportos;
- Período oposto de 8 dias;
- Homologação de termo de rescisão nas representações do SNA;
- 11 folgas mensais para tripulantes que voam widebody;
- Descanso dos comissários na classe executiva;
- Validação, por meio de ACT, das jornadas autorizadas pelo SGRF (Sistema de Gerenciamento do Risco da Fadiga);
- Limite de jornada em voos de tripulação composta.

Cabe lembrar que toda decisão é sempre tomada pelos tripulantes, em assembleia, e que a participação de todos é de extrema importância para o sucesso nas negociações.

O SNA agrade a presença de todos nas assembleias desta segunda e convoca a categoria acompanhar e participar de todo o processo.

Fiquem atentos aos nossos meios de comunicação e participem das deliberações.